Vale a pena fazer Psicoterapia Online?



Você já experimentou a psicoterapia online? Será que vale a pena fazer? É confiável? É tão eficiente quanto a modalidade presencial?

São muitas as dúvidas que ainda existem, o que é natural por se tratar de uma atividade nova. A Psicologia Online é uma modalidade de assistência reconhecida em diferentes países, inclusive no Brasil, que é aprovada pelo Conselho Federal de Psicologia.

A psicoterapia online é tão efetiva quando a psicoterapia presencial. A diferença é que essa categoria de atendimento ocorre por meio de teleconferência, com uso de tecnologias de transmissão de som e imagem, através do seu smartphone, tablet, lap top ou desktop com webcam. Para isso, o psicólogo precisa ter um credenciamento específico para desenvolver este trabalho.

A grande vantagem é que você pode ter o suporte e cuidado que necessita de um profissional, estando em qualquer lugar, inclusive em outro país, sem sair de casa ou do seu escritório, desde que tenha um local reservado onde pode estar sozinho e não será interrompido.

Por exemplo, eu atendo muito brasileiros que atualmente residem nos Estados Unidos e eles relatam que é muito bom poder fazer a psicoterapia com um psicólogo que fala o mesmo idioma e é da mesma cultura. Isso aumenta a empatia entre paciente e o psicoterapeuta.

Trata-se de um recurso que está disponível para qualquer pessoa, aumentando a qualidade de vida, ajudando o paciente a lidar com os momentos difíceis, melhorando a nossa habilidade de lidar com pensamentos e emoções e nos ajuda a mudar aqueles comportamentos indesejados.

É válido lembrar que a psicoterapia online mantém todos os preceitos da modalidade presencial, por exemplo, o código de ética e o sigilo profissional.

Portanto, vale a pena sim experimentar a psicoterapia online, ela é confiável e tão eficiente quanto a presencial, conforme já indicam estudos recentes.

Como dica final, procure um profissional que você sinta afinidade e confiança. Isso é essencial, independente da modalidade que você escolher.

Referências Bibliográficas

BECK, J. S. Terapia cognitiva: Teoria e prática. Porto Alegre: Artmed, 1997.

Hayes, S. C., Strosahl, K., & Wilson, K. G. Acceptance and Commitment Therapy: An experiential approach to behavior change. New York: Guilford Press, 1997.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *